none
Dúvida em relação ao conceito dos modelos conceitual, lógico e físico RRS feed

  • Pergunta

  • Boa noite a todos,

    Estou querendo uma ajuda de vocês para tirar algumas dúvidas referente às diferenças entre os modelos e também para saber se o meu entendimento em relação ao modelo conceitual está correto. Conforme vários artigos, entendi que o modelo conceitual é um modelo de dados lógico é uma representação dos requisitos de negócio, contendo a lógica e a organização da estrutura representa como entidades das informações referente à área de negócio, assim como todo o seu processo e como as entidades se relacionam, não é um banco de dados, é independente do modelo físico. Ele é independente da tecnologia implementada devido a constante mudança dos produtos tecnológicos.

    Alguém discorda?

    E quanto aos demais modelos? No modelo físico eu já posso definir os tipos de dados dos campos exceto o tipo de banco de dados?

    Agradeço desde já pessoal!

    domingo, 6 de dezembro de 2015 23:43

Respostas

  • Bom dia,

    Pelo que eu sei no modelo conceitual você representa graficamente as entidades, atributos e suas respectivas relações através de um diagrama de entidade e relacionamento (DER), que foram levantadas na fase de requisito, no modelo conceitual não se deve especificar a tecnologia utilizada. Com ele você pode apresentar o seu modelo de banco de dados para o seu cliente por exemplo.

    Já o modelo lógico é uma derivação do modelo conceitual, onde os relacionamentos com cardinalidade n:m se tornam entidades associativas, aqui você já define as chaves primarias, adéqua o padrão de nomenclatura e se define qual SGBD será utilizado. Esta fase pode ser representada de duas formas, textualmente ou também em forma de diagramas.

    E o modelo físico nada mais é que a implantação da sua modelagem no banco em si.

    Neste link tem exemplos, em imagens, da diferença entre o modelo conceitual e textual, foi utilizada a ferramenta BrModelo para fazer essas imagens, é uma ferramenta bem simples com muitos erros, porém bem didática.

    https://alexevalerio.wordpress.com/2014/04/14/modelagem-de-banco-de-dados-esquema-textual-exemplos/

    Atenciosamente,

    Gustavo Dantas

    • Marcado como Resposta LWMN sexta-feira, 11 de dezembro de 2015 01:21
    segunda-feira, 7 de dezembro de 2015 14:06
  • LWMN,

    Vou tentar contribuir com a minha experiência como Professor:

    O American National Standards Institute (ANSI) através do Standards Planning and Requirements Committee (SPARC), estabeleceu um padrão para o desenvolvimento de tecnologias de base de dados.

    Definindo uma arquitetura de três níveis independentes, conhecida como arquitetura ANSI/SPARC.

    Estes três níveis, foram denominados: nível interno, nível externo e nível conceitual. Cada destes níveis possui uma preocupação de acordo com uma visão especificada de acordo com o nível.

    Um dos principais objetivos desta arquitetura é propiciar a independência dos dados sob o ponto de vista destes esquemas. Esta independência pode ser classificada como:

    Independência lógica – flexibilidade para alterar o esquema conceitual.

    Independência física - flexibilidade para alterar o esquema interno.

    Nível Interno: Também conhecido como nível de armazenamento, é o mais próximo do meio de armazenamento físico, ou seja, é aquele que se ocupa do modo como os dados são fisicamente armazenados dentro do sistema.

    Nível Externo: Também conhecido como nível lógico do usuário, é o mais próximo dos usuários, ou seja, é aquele que se ocupa do como os dados são vistos por usuários individuais.

    Nível Conceitual: Também conhecido como nível lógico da comunidade, ou às vezes apenas nível lógico, sem qualificação, é um nível “indireto” entre os dois outros níveis.


    Pedro Antonio Galvao Junior [MVP | MCC | Microsoft Evangelist | Microsoft Partner | Engenheiro de Softwares | Especialista em Banco de Dados | Professor Universitario | SoroCodigos | @JuniorGalvaoMVP | http://pedrogalvaojunior.wordpress.com]

    • Marcado como Resposta LWMN segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 23:15
    quinta-feira, 10 de dezembro de 2015 14:08

Todas as Respostas

  • Bom dia,

    Pelo que eu sei no modelo conceitual você representa graficamente as entidades, atributos e suas respectivas relações através de um diagrama de entidade e relacionamento (DER), que foram levantadas na fase de requisito, no modelo conceitual não se deve especificar a tecnologia utilizada. Com ele você pode apresentar o seu modelo de banco de dados para o seu cliente por exemplo.

    Já o modelo lógico é uma derivação do modelo conceitual, onde os relacionamentos com cardinalidade n:m se tornam entidades associativas, aqui você já define as chaves primarias, adéqua o padrão de nomenclatura e se define qual SGBD será utilizado. Esta fase pode ser representada de duas formas, textualmente ou também em forma de diagramas.

    E o modelo físico nada mais é que a implantação da sua modelagem no banco em si.

    Neste link tem exemplos, em imagens, da diferença entre o modelo conceitual e textual, foi utilizada a ferramenta BrModelo para fazer essas imagens, é uma ferramenta bem simples com muitos erros, porém bem didática.

    https://alexevalerio.wordpress.com/2014/04/14/modelagem-de-banco-de-dados-esquema-textual-exemplos/

    Atenciosamente,

    Gustavo Dantas

    • Marcado como Resposta LWMN sexta-feira, 11 de dezembro de 2015 01:21
    segunda-feira, 7 de dezembro de 2015 14:06
  • LWMN,

    Vou tentar contribuir com a minha experiência como Professor:

    O American National Standards Institute (ANSI) através do Standards Planning and Requirements Committee (SPARC), estabeleceu um padrão para o desenvolvimento de tecnologias de base de dados.

    Definindo uma arquitetura de três níveis independentes, conhecida como arquitetura ANSI/SPARC.

    Estes três níveis, foram denominados: nível interno, nível externo e nível conceitual. Cada destes níveis possui uma preocupação de acordo com uma visão especificada de acordo com o nível.

    Um dos principais objetivos desta arquitetura é propiciar a independência dos dados sob o ponto de vista destes esquemas. Esta independência pode ser classificada como:

    Independência lógica – flexibilidade para alterar o esquema conceitual.

    Independência física - flexibilidade para alterar o esquema interno.

    Nível Interno: Também conhecido como nível de armazenamento, é o mais próximo do meio de armazenamento físico, ou seja, é aquele que se ocupa do modo como os dados são fisicamente armazenados dentro do sistema.

    Nível Externo: Também conhecido como nível lógico do usuário, é o mais próximo dos usuários, ou seja, é aquele que se ocupa do como os dados são vistos por usuários individuais.

    Nível Conceitual: Também conhecido como nível lógico da comunidade, ou às vezes apenas nível lógico, sem qualificação, é um nível “indireto” entre os dois outros níveis.


    Pedro Antonio Galvao Junior [MVP | MCC | Microsoft Evangelist | Microsoft Partner | Engenheiro de Softwares | Especialista em Banco de Dados | Professor Universitario | SoroCodigos | @JuniorGalvaoMVP | http://pedrogalvaojunior.wordpress.com]

    • Marcado como Resposta LWMN segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 23:15
    quinta-feira, 10 de dezembro de 2015 14:08
  • Bom dia,

    Pelo que eu sei no modelo conceitual você representa graficamente as entidades, atributos e suas respectivas relações através de um diagrama de entidade e relacionamento (DER), que foram levantadas na fase de requisito, no modelo conceitual não se deve especificar a tecnologia utilizada. Com ele você pode apresentar o seu modelo de banco de dados para o seu cliente por exemplo.

    Já o modelo lógico é uma derivação do modelo conceitual, onde os relacionamentos com cardinalidade n:m se tornam entidades associativas, aqui você já define as chaves primarias, adéqua o padrão de nomenclatura e se define qual SGBD será utilizado. Esta fase pode ser representada de duas formas, textualmente ou também em forma de diagramas.

    E o modelo físico nada mais é que a implantação da sua modelagem no banco em si.

    Neste link tem exemplos, em imagens, da diferença entre o modelo conceitual e textual, foi utilizada a ferramenta BrModelo para fazer essas imagens, é uma ferramenta bem simples com muitos erros, porém bem didática.

    https://alexevalerio.wordpress.com/2014/04/14/modelagem-de-banco-de-dados-esquema-textual-exemplos/

    Atenciosamente,

    Gustavo Dantas

    Gustavo, obrigado pela ajuda. Vou dar uma olhada no link que indicou também.
    sexta-feira, 11 de dezembro de 2015 01:21
  • LWMN,

    Vou tentar contribuir com a minha experiência como Professor:

    O American National Standards Institute (ANSI) através do Standards Planning and Requirements Committee (SPARC), estabeleceu um padrão para o desenvolvimento de tecnologias de base de dados.

    Definindo uma arquitetura de três níveis independentes, conhecida como arquitetura ANSI/SPARC.

    Estes três níveis, foram denominados: nível interno, nível externo e nível conceitual. Cada destes níveis possui uma preocupação de acordo com uma visão especificada de acordo com o nível.

    Um dos principais objetivos desta arquitetura é propiciar a independência dos dados sob o ponto de vista destes esquemas. Esta independência pode ser classificada como:

    Independência lógica – flexibilidade para alterar o esquema conceitual.

    Independência física - flexibilidade para alterar o esquema interno.

    Nível Interno: Também conhecido como nível de armazenamento, é o mais próximo do meio de armazenamento físico, ou seja, é aquele que se ocupa do modo como os dados são fisicamente armazenados dentro do sistema.

    Nível Externo: Também conhecido como nível lógico do usuário, é o mais próximo dos usuários, ou seja, é aquele que se ocupa do como os dados são vistos por usuários individuais.

    Nível Conceitual: Também conhecido como nível lógico da comunidade, ou às vezes apenas nível lógico, sem qualificação, é um nível “indireto” entre os dois outros níveis.


    Pedro Antonio Galvao Junior [MVP | MCC | Microsoft Evangelist | Microsoft Partner | Engenheiro de Softwares | Especialista em Banco de Dados | Professor Universitario | SoroCodigos | @JuniorGalvaoMVP | http://pedrogalvaojunior.wordpress.com]

    Junior, explicação de professor sempre é bem vinda. Estou estudando essa parte conceitual do conteúdo para concursos públicos, então suas orientações vão me ajudar bastate. Obrigado e desculpe pela demora em marcar como resposta!
    • Editado LWMN segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 23:16
    sexta-feira, 11 de dezembro de 2015 01:23
  • LWMN,

    Vou tentar contribuir com a minha experiência como Professor:

    O American National Standards Institute (ANSI) através do Standards Planning and Requirements Committee (SPARC), estabeleceu um padrão para o desenvolvimento de tecnologias de base de dados.

    Definindo uma arquitetura de três níveis independentes, conhecida como arquitetura ANSI/SPARC.

    Estes três níveis, foram denominados: nível interno, nível externo e nível conceitual. Cada destes níveis possui uma preocupação de acordo com uma visão especificada de acordo com o nível.

    Um dos principais objetivos desta arquitetura é propiciar a independência dos dados sob o ponto de vista destes esquemas. Esta independência pode ser classificada como:

    Independência lógica – flexibilidade para alterar o esquema conceitual.

    Independência física - flexibilidade para alterar o esquema interno.

    Nível Interno: Também conhecido como nível de armazenamento, é o mais próximo do meio de armazenamento físico, ou seja, é aquele que se ocupa do modo como os dados são fisicamente armazenados dentro do sistema.

    Nível Externo: Também conhecido como nível lógico do usuário, é o mais próximo dos usuários, ou seja, é aquele que se ocupa do como os dados são vistos por usuários individuais.

    Nível Conceitual: Também conhecido como nível lógico da comunidade, ou às vezes apenas nível lógico, sem qualificação, é um nível “indireto” entre os dois outros níveis.


    Pedro Antonio Galvao Junior [MVP | MCC | Microsoft Evangelist | Microsoft Partner | Engenheiro de Softwares | Especialista em Banco de Dados | Professor Universitario | SoroCodigos | @JuniorGalvaoMVP | http://pedrogalvaojunior.wordpress.com]

    Junior, explicação de professor sempre é bem vinda. Estou estudando essa parte conceitual do conteúdo para concursos públicos, então suas orientações vão me ajudar bastate. Obrigado e desculpe pela demora em marcar como resposta!

    LWMN,

    Que bom, espero ter colaborado.


    Pedro Antonio Galvao Junior [MVP | MCC | Microsoft Evangelist | Microsoft Partner | Engenheiro de Softwares | Especialista em Banco de Dados | Professor Universitario | SoroCodigos | @JuniorGalvaoMVP | http://pedrogalvaojunior.wordpress.com]

    terça-feira, 15 de dezembro de 2015 14:43