none
NF Paulista... RRS feed

  • Pergunta

  •  

    Estou com uma Daruma FS-345, DARUMA32.DLL 2.21.19 e OBSERVER2 2.0.26...

    Não consigo gerar de jeito nenhum o arquivo referente à Nota Fiscal Paulista ao final da Redução Z. Apenas o arquivo MF.BIN é criado.

    Já fiz 4 pastas (c:\BKP_Daruma, c:\BKP_RFD, c:\BKP_RFD_Daruma e C:\RFD_Daruma), pois nos manuais manda fazer duas delas. Aí no arquivo .CHM manda fazer outras duas e nao explicam claramente onde é que o arquivo será gerado e se uma dessas pastas deveria ser o da aplicacao comercial. Duas destas 4 pastas também estão no arquivo de registro (darumarfd.reg) e ja confirmei no regedit se o mesmo está correto. Tudo OK. Mas o arquivo de NF Paulista nao é gerado. Alguém tem uma solucao ?

     

    [  ]s

    quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008 12:48

Todas as Respostas

  • Danilo,

    Vou comentar de orelhudo que sou, uma vez que não trabalho com a FS-345.  Me parece que ela não é uma impressora com MFD, e não sendo, não tem como armazenar as informações de cada cupom.

    Se o que você está querendo é gerar os arquivos utilizando-se da memória MFD, neste caso não vai dar.

    Sugiro a todos os programadores que criem seus próprios registros detalhe, e os utilizem para a geração dos arquivos conforme a portaria CAT-85.  A CAT-52 trata de outra coisa, e também precisa ser gerada, mas não refere-se à Nota Fiscal Paulista.  A parte da CAT-52 que é utilizada para a NF-P refere-se à forma como o arquivo é nomeado.

    De qualquer forma, confirme estas informações com seu contador de plantão.

    Gustavo
    quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008 22:17
  •  

    A CAT 52/07 é a CAT q trata da NF Paulista (http://info.fazenda.sp.gov.br/NXT/gateway.dll/legislacao_tributaria/portaria_cat/pcat522007.htm). A CAT 85/07, se refere aos prazos de envio do arquivo e também mostra o layout para NFs modelo 2 (Nota ao consumidor).

     

    Sobre ECFs sem MFD, a maioria dos fabricantes ajustaram as suas DLLs, para que as mesmas fizessem um log dos cupons impressos no ECF, para que no momento da redução Z, o arquivo da CAT 52/07 fosse gerado baseado nesses logs.

    sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008 10:36
  • Fazer na mão está descartado galera, pois os fabricantes dos ECFs estão empenhados nisso. E outra, nao to querendo gerar arquivos retroativos.

     

    Em contato com o suporte daruma hoje, me disseram que na medida que imprimo cupons fiscais, temporariamente sao criados vários arquivos nas pastas que estão configuradas, porém como achei estranho ser criado o arquivo com a mesma lógica da NF Paulista após imprimir 2 cupons, renomiei o mesmo e o guardei em outra pasta com o objetivo de servir de análise posteriormente. Esse foi meu erro. Nao podemos mexer em nada durante o expediente. Somente após a Reducao Z é que devemos considerar o arquivo.

    Obs.: Isso nao acontece com as BEMATECH, pois o arquivo somente é criado após a Redução Z. Achei muito feio isso. Mas, enfim, cada fabricante com sua lógica. Imagine um usuário esquecer de fazer a Redução Z e ver o arquivo lá com o nome do arquivo da NF Paulista, tudo certinho e nao ser o tal. Acho que a daruma (se esta informacao ser mesmo real), poderia criar arquivos temporários sim, mas com outros nomes, menos com o nome da NF Paulista.

    Agora, semana que vem, vou testar de novo e ver se dá certo.

     

    [  ]s

    sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008 13:32
  • Caro amigo Gustavo,

     

    discordo de vc. A CAT-52/07 trata exclusivamente de ECFs, inclusive tem 2 layouts super-complicados referentes à NF Paulista e é gigante em termos de folhas impressas. Também trata do nome do arquivo como vc citou...

     

    [  ]s

    sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008 13:40
  • Sei não, Danilo.  Posso estar muito equivocado em minha interpretação, mas isso é o que diz o primeiro parágrafo da CAT-52:

    Dispõe sobre geração e guarda de arquivo digital por contribuinte usuário de equipamento Emissor de Cupom Fiscal - ECF


    Minha interpretação é a seguinte:

    contribuinte usuário de equipamento emissor de cupom fiscal: a empresa


    Mais adiante, nos artigos, fica estabelecido que o contribuinte (a empresa) precisa gerar e GUARDAR arquivos que registrem os detalhes das vendas a cada redução Z.  Olhe o que diz o parágrafo único do artigo 1º:

    Parágrafo único - A gravação do arquivo digital, conforme exigido no inciso II, será efetuada mensalmente, englobando informações compreendidas entre o primeiro e o último dia do mês correspondente.

    Ou seja, isto é geração de registros para auditoria. O governo não é besta... ele sabe que, se deixar para o registro dos detalhes ser feito apenas nas ECFs com MFD, "algo" pode acontecer com essas máquinas, tipo, cair um raio nelas e torrá-las, um ladrão levar para canibalizar as peças, o cachorro pode comê-las etc, e o estabelecimento pode alegar isso, e nesse caso, como se faz a auditoria do movimento???

    DEPOIS, veio a CAT-85 que trata do registro/transmissão de cupons/notas fiscais emitidos e vinculados a um determinado CPF/CNPJ, como forma de incentivo a que os cidadãos peçam as notas fiscais.

    Se você notar, o arquivo de transmissão é muito mais simples do que o detalhado pela CAT-52.  O que é exigido pela CAT-52 precisa ser cumprido, mas em minha interpretação, nada tem a ver com a operação da Nota Fiscal Paulista.

    CAT-52 -> guarda do registro de movimentos, para fins de auditoria futura;
    CAT-85 -> transmissão de arquivo para registro da NF-P;

    Mas de novo, pode ser que eu esteja muito enganado, e que tenha interpretado tudo errado.  Por isso em minha primeira resposta eu aconselhei-os a consultar seus contadores.  Eu consultei o meu.

    Gustavo
    sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008 14:00
  •  

    Na CAT 85/07 (http://info.fazenda.sp.gov.br/NXT/gateway.dll/legislacao_tributaria/portaria_cat/pcat852007.htm) diz o seguinte:

    Code Snippet

    Artigo 9º - O contribuinte que emitir os documentos fiscais referidos no artigo 2º deverá registrá-los eletronicamente na Secretaria da Fazenda de acordo os seguintes procedimentos:

    I - a Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, deverá ser registrada mediante transmissão de arquivo digital ou preenchimento de formulário eletrônico, conforme disciplina específica a ser estabelecida pela Secretaria da Fazenda;

    II - a Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2, emitida mediante a utilização de impressos fiscais, na forma de talonário, formulário contínuo ou jogos soltos, deverá ser registrada por um dos seguintes meios:

    a) transmissão de arquivo digital para a Secretaria da Fazenda, conforme leiaute contido no Anexo II;

    b) preenchimento dos dados da Nota Fiscal de Venda a Consumidor em formulário eletrônico, disponível na página da Secretaria da Fazenda na Internet;

    III - o Cupom Fiscal, emitido mediante a utilização de Equipamento Emissor de Cupom Fiscal - ECF, será registrado por meio de transmissão de arquivo digital para a Secretaria da Fazenda, o qual:

    a) no caso de Equipamento Emissor de Cupom Fiscal - ECF com Memória de Fita-Detalhe - MFD, deverá ter leiaute que atenda ao disposto no Ato Cotepe n° 17/04, de 29 de março de 2004;

    b) no caso de Equipamento Emissor de Cupom Fiscal - ECF sem Memória de Fita-Detalhe - MFD, deverá ter leiaute que atenda ao disposto no Anexo I da Portaria CAT nº 52/2007;

    c) deverá ser gerado conforme o disposto na Portaria CAT nº 52/2007, de 06 de junho de 2007.

    Parágrafo único - Para transmitir os arquivos digitais previstos neste artigo o contribuinte deverá selecionar uma das seguintes opções disponíveis no sistema eletrônico da Secretaria da Fazenda na Internet:

    1 - no caso da alínea “a” do inciso II, “Enviar arquivo - NFVC Modelo 2”;

    2 - no caso do inciso III:

    a) “Enviar arquivos – Cupom Fiscal”;

    b) transmissão automatizada de arquivos - “Web service”.

     

     

    No parágrafo III diz que no caso de ECF sem MFD deverá ser seguido layout da CAT 52/07, com MFD layout do Ato Cotepe 17/04, NF modelo 2 - layout do Anexo II da CAT 85/07 e NF modelo 1 ou 1-A deverá ser seguido layout da CAT 102/07 que foi criada posteriormente.

     

    Como saber o modelo da NF - http://www.forumweb.com.br/foruns/index.php?showtopic=70267

    sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008 14:40
  • Galera, eu entendo o seguinte:

     

    Se o cliente de nosso software-house nao utiliza ECF, entao caso ele emita notas fiscais modelo 1 ou 1-A em formulário, entao nós temos que criar o arquivo texto com base na CAT-102. O layout é bem facinho e tem até o validador chamado TD-RDF.

    Se o cliente utiliza ECF, cabe (nao-obrigatoriamente) ao driver do ECF gerar o arquivo texto tanto para IFs térmicas tanto para Matriciais, pois os layouts sao complicados e extensos. Ainda bem que os fabricantes estão fazendo isso por nós!

    Agora, voltando às afirmacoes do Gustavo, a parte de como armazenar os vários arquivos gerados em CD-R ou CD-RW cabe ao nosso usuário. Esta "bola" eu to passando para os clientes. Apenas faço o meu sistema gerar o arquivo referente à Nota Fiscal Paulista.

     

    Eu entendo assim.

    sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008 19:51
  • Galera, deu certo, conforme o suporte daruma me orientou:

    o arquivo de NF Paulista sempre é criado no diretório de backup ...

    Vale lembrar que, após a Redução Z, além do arquivo de NF Paulista normal (aquele com toda aquela lógica das portarias, é criado um outro chamado BKP_RFD_ + "nome original do arquivo de NF Paulista". Neste os dados ficam criptografados.

    segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008 17:38